quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

E de repente... O maior desafio dos últimos tempos! 
Uma bolsa de telemóvel "terrífica" para uma cliente super, super, super especial! Espero que ela goste! 
Para mim foi um gozo mas um desafio enorme, agradar a esta cliente super especial! 



quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Experiência do fim de semana!

Preciso da vossa opinião! Uma opinião sincera e que me ajude a perceber se sou só eu que gosto imenso do resultado da minha experiência de fim de semana... Uma pregadeira nova! 
Que me dizem? :)
(A fotografia não está grande coisa, eu sei mas apesar disso... que acham?)


Feira Nacional de Artesanato e Gastronomia da Marinha Grande


quarta-feira, 16 de novembro de 2016

JARDINS DE INVERNO

Novidades!!! Novidades fesquinhas!!! :)
Espero que gostem!

Pregadeiras em feltro, bordadas com linha filosel 
5 euros cada








terça-feira, 8 de novembro de 2016

Sesimbra!

Aproveitando os últimos raios de sol de verão (ou os primeiros do inverno, como mais gostem!), fui passear até Sesimbra, linda vila piscatória, recordar memórias de criança e de dias excelentemente passados.
Fui até ao Castelo e visitei (coisa que não fazia há muito tempo) a bonita Igreja da Nossa Senhora da Consolação do Castelo. É um templo dedicado a Santa Maria que desde o século XVI é dedicado ao culto de Nossa Senhora da Consolação do Castelo. Foi ampliado durante os séculos XVI, XVII e XVIII e vale bem a pena ser visitado.

Nestas deambulações pela Igreja, reparei nos azulejos e pensei que, para quem é amante da azulejaria como eu, seria um bom motivo para uma visita. São azulejos do período barroco, da primeira metade de setecentos, de pintura azul sobre branco, das oficinas lisboetas dos mestres Teotónio dos Santos e Bartolomeu Antunes.

Deixo-vos umas fotografias tiradas por mim que nem de perto nem de longe reflectem a beleza deste conjunto azulejar!...Mas por outro lado... deram-me Ideias para umas coisas muito giras!!! :)












segunda-feira, 31 de outubro de 2016

O "Pão-por-Deus"

Lembro-me bem de andar a pedir o “pão-por-Deus” na aldeia onde a minha Avó materna vivia!

Como eu era “menina de Lisboa”, e ia sempre acompanhada pelos primos mais velhos, os vizinhos apenas perguntavam: “ah menina, de quem és tu filha?” ao que eu respondia sempre: “sou neta da “Mari’Júlia”!” E assim, os nossos saquinhos se enchiam de “ferraduras” e bolos de canela!


“O peditório do pão-por-deus ,está associado ao antigo costume que se tinha de oferecer pão, bolos,vinho e outros alimentos aos defuntos.
Em Portugal no dia 1 de Novembro, Dia de Todos-os-Santos, as crianças saem à rua e juntam-se em pequenos bandos para pedir o Pão-por-Deus (ou o bolinho) de porta em porta. O dia de pão-por-deus, ou dia de todos os fieis defuntos, era o dia em que se repartia muito pão cozido pelos pobres.
É também costume em algumas regiões os padrinhos oferecerem um bolo, o Santoro. Já pedir o "santorinho", que começava nos últimos dias do mês de Outubro, era o nome que se dava à tradição em que crianças sozinhas, ou em grupo, de saco na mão iam de porta em porta para ganhar doces.
As crianças quando pedem o pão-por-deus recitam versos e recebem como oferenda: pão, broas, bolos, romãs e frutos secos, nozes, tremoços, amêndoas,ou castanhas que colocam dentro dos seus sacos de pano, de retalhos ou de borlas.
Em algumas povoações da zona centro e estremadura chama-se a este dia o ‘Dia dos Bolinhos’ ou ‘Dia do Bolinho’. Os bolinhos típicos são especialmente confecionados para este dia, sendo à base de farinha e erva doce com mel (noutros locais leva batata doce e abóbora) e frutos secos como passas e nozes.
As crianças e os adultos que participam nos peditórios representam as almas dos mortos que «neste dia erram pelo mundo», quando pedem pão para para partilhar com as almas. O pão por Deus é uma oferenda que se faz às próprias almas.

Em Barqueiros, concelho de Mesão Frio, à meia-noite do dia 1 para 2 de Novembro arranjava-se uma mesa com castanhas para os parentes já falecidos lá irem comer durante a noite “não devendo depois ninguém tocar nessa comida, porque ela ficava babada dos mortos”.
Na freguesia de Vila Nova de Monsarros, Anadia, as crianças faziam os "santórios", recebiam fruta e bolos e cada criança transportava uma abóbora oca com figura de cara, com uma vela dentro.
"Em Roriz não se chama pão por Deus, nem bolinhos, nem santoros a comezaina que se dá aos rapazes no dia de Todos os Santos ou de Finados. O que os rapazes vão pedir por portas, segundo lá dizem, é — os fiéis de Deus”
Nos Açores dão-se “caspiadas” às crianças durante o peditório, bolos com o formato do topo de uma caveira, claramente um manjar ritual do culto dos mortos.

Com o passar do tempo, o Pão-por-Deus sofreu algumas alterações, os meninos que batem de porta em porta podem receber dinheiro, rebuçados ou chocolates. Esta atividade é também realizada nos arredores de Lisboa. Antigamente relembrava a algumas pessoas o que aconteceu no dia 1 de Novembro de 1755, aquando do terramoto de Lisboa, em que as pessoas que viram todos os seus bens serem destruídos na catástrofe, tiveram que pedir "pão-por-deus" nas localidades que não tinham sofrido danos.”

(Texto retirado da Wikipédia)

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Encomendas!

No fim de semana passado, as tardes foram de trabalho nas encomendas. 
Uma andorinha pronta e uma bolsa de telemóvel quase, quase pronta também (prometo mostrar como ficou no final)!
Ah! e também houve experiências para novidades! :)

Andorinha pregadeira


Bolsa para telemóvel quase, quase prontinha!


XIX Bienal Internacional de Arte de Cerveira

Concurso de Design Gráfico

 http://bienaldecerveira.org/concurso-de-design-xix-bienal-internacional-de-arte-de-cerveira


segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Festival Internacional de Marionetas do Porto

"Nesta edição convidamos o nosso estimado público para nos acompanhar numa jornada muito especial. As marionetas, os objectos, a manipulação, a matéria animada, o vivo e o não-vivo. São estes os nossos pontos de partida, o destino desta viagem caberá a cada um descobri-lo. As extensões concretas e imaginadas do corpo - dos objectos de utilização quotidiana ou outros que alguém decidiu coleccionar, dos mistérios da voz humana à estranheza-familiar das próteses mecânicas, passando pelo registo ou o rasto de determinado gesto ou acção – ocupam, no universo imaginário desta edição, um espaço importante. "

Ver mais em: http://www.fimp.pt

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Queridos Amigos,

Obrigado a todos pelo vosso apoio e carinho! Ultrapassámos os 2800 seguidores da página Ideias da Gi no facebook!
As “Ideias” agradecem e a Gi está muito vaidosa!

Há amigos de tanto lugar no mundo… Portugal, Brasil, Itália, Argentina, EUA, Hungria, Chile, Reino Unido, África do Sul, Tailândia, Indonésia, Croácia, Suécia, Irão, Espanha… da Roménia, Perú, Suiça, Alemanha, Venezuela, Macedónia, Equador, Sérvia… da Bélgica, Malásia, Geórgia, República Checa, Ucrânia, Egipto, Canadá, Rússia, Moçambique, Bolívia, Guatemala... da França, Turquia, México, Bulgária, Colômbia, Angola… tantos outros!

Obrigado a todos! É o vosso apoio e as vossas palavras que fazem crescer as Ideias da Gi!
Obrigado.
(  https://www.facebook.com/Ideias.da.Gi )

                       ### ### ### ### ### ### ### ### ###

Dear friends,

Thank you all for your support and affection! We are now more than 2800 followers in Ideias da Gi page in facebook!
The “Ideias” say thank you and Gi is so very proud!

We have friends from all over the world… Portugal, Brasil, Italy, Argentina, EUA, Hungary, Chile, Inited Kingdom, South Africa, Thailand, Indonesia, Croacia, Sweden, Iran, Spain… Romenia, Peru, Switerzland, germany, Venezuela, Macedonia, Equador, Serbia… Belgium, Malasia, Georgia, Czech Republic, Ucrania, Egipt, Canada, Russia, Mozambique, Bolivia, Guatemala… France, Turquey, Mexico, Bulgary, Colombia, Angola… and so many others!

Thank you all! It’s you support and your kind words that makes Ideias da Gi flourish!
Thank you.
(  https://www.facebook.com/Ideias.da.Gi )
(foto retirada da net)
 
" Depois de umas “obras indispensáveis”, o Museu de Arte Popular deve reabrir até ao final do ano com a exposição Da Fotografia ao Azulejo.

“O programa não está fechado, mas a ideia é reabri-lo”, diz a diretora-geral do Património Cultural, em entrevista ao DN, sobre o Museu de Arte Popular, em Lisboa. “Vamos fazer obras de conservação indispensáveis e a nossa ideia é, ainda este ano, abrir com uma exposição que está agora em Madrid”, diz Paula Araújo da Silva, sobre o que se poderá ver no museu à beira-rio, encerrado em 2006 e reaberto em 2010, já sob responsabilidade do Museu Nacional de Etnologia (MNE).

O MNE conserva o acervo do museu construído para a exposição do Mundo Português em 1940. No futuro, segundo Paula Araújo da Silva, as exposições de Etnologia poderão ter extensões no Museu de Arte Popular, numa estratégia de dinamização deste espaço. "


(retirado de Porto dos Museus)


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Chegou o Outono!

Quem não associa o Outono às folhas das árvores caídas no chão?

O Outono aí está e para comemorar o seu regresso, deixo-vos estas pregadeiras em folha, com as cores quentes dos dias desta estação do ano.


Pregadeiras em feltro, decoradas com linha filosel

5 euros



quinta-feira, 22 de setembro de 2016

A Feira da Luz

Ontem foi dia de visitar a Feira da Luz com a Mãe. 

É tradição. Todos os anos visito pelo menos duas vezes a Feira da Luz. Uma com os amigos, para uma volta no carrossel que tanto nos diverte e para uma fartura e, acima de tudo, para sabermos das vidas uns dos outros, para nos rirmos e celebrar mais um ano de amizade e cumplicidade entre todos. 

Outra visita é com a Mãe. Aí sim, os barros são vistos com atenção, os panos para a cozinha escrutinados até ao último bordado, as flores apreciadas e seleccionadas consoante as cores e os perfumes… as escolhas das colheres de pau, dos pratos e das tigelas que “nunca são demais!” demoram tempos eternos… no fim, uma fartura na “Família Gomes”, as preferidas da Mãe!
Do que mais gosto é das conversas a duas. Das memórias de outros tempos. Das espadas de plástico que o meu irmão sempre queria, dos carrinhos de choque, das voltas no carrossel. De quando a minha Mãe tinha que ligar ao meu Pai para nos ir buscar porque as compras eram muitas...

Gosto. Gosto muito das idas à Feira da Luz com a minha Mãe. E com os amigos também, claro está!


Para quem não conhece fica aqui um pouco da história da Feira e se quiserem podem ainda visitá-la até dia 25 de Setembro, no Jardim da Luz, em Carnide, Lisboa. 


“Ligada à tradicional romaria que se realizava anualmente, em setembro, no Santuário da Nossa Senhora da Luz, a feira era complemento das festividades religiosas que duravam vários dias, atraindo numerosos forasteiros da capital e arredores. Embora se possa considerar tão antiga como o próprio culto e remonte, certamente, à Idade Média, foi durante os séculos XVI e XVII que começou a adquirir maior projeção.
No início, a feira surgiu integrada nas festividades religiosas, com barracas de comes e bebes, vendedores de medalhas, registos de santos, rosários e objetos religiosos. Pouco a pouco, foi-se ampliando e surgiram os louceiros, vendedores de fruta, cesteiros e, por último, os negociantes de gado. Chegou a realizar-se uma feira de gado, quinzenalmente, no segundo domingo de cada mês, mas a feira anual era o grande atrativo para os negociantes de cavalos e de gado vacum. Em 1881, por regulamento camarário (na altura, Câmara de Belém), a feira passou de três para cinco dias com o mercado de gado de 8 a 11 de setembro e os restantes produtos nos seguintes.
Em 1929, com o estabelecimento da linha de elétricos que ligava os Restauradores a Carnide, o acesso ficou mais fácil e foi estabelecido um novo calendário, prolongando-se a feira desde o primeiro sábado até ao último domingo de setembro.
Desde 1992 a Junta de Freguesia de Carnide alia-se culturalmente às festividades da Feira da Luz que, em setembro, culminam com a Procissão da Nossa Senhora da Luz.
A Feira da Luz é, atualmente, organizada pela Junta de Freguesia de Carnide.”



Feira da Luz no início do Século XX   
  

 (fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa)


Igreja da Luz




















terça-feira, 20 de setembro de 2016

Caros amigos das Ideias da Gi!

Tenho andado tão ausente, eu sei... às vezes a vida dá voltas que nos impossibilitam de fazer aquilo que mais gostamos mas felizmente, neste caso, foram voltas boas, daquelas que nos fazem sorrir e querer voltar ainda com mais vontade e mais força!

 E vocês como estão? Como vão as vossas vidas? Contem-nos coisas vossas que eu prometo regressar com as minhas Ideias e fazer-vos sorrir todos os dias!

Que bom ainda estarem por cá!...

Dia bom!

Lígia